Home Page Jurídica - Home Page Jurídica

O Governo espera aumentar a receita da Segurança Social com o novo regime contributivo dos trabalhadores independentes.

empresas

Apesar de dizer que o Executivo "não tem como objetivo aumentar contribuições no global", a secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, espera que o novo regime contributivo dos trabalhadores independentes leve mais dinheiro para os cofres.

São dois efeitos que estão em causa. "Temos o efeito de termos mais entidades contratantes porque estamos a reduzir a percentagem do volume de negócios para que o trabalhador independente seja considerado economicamente dependente e a taxa da entidade contratante também aumentou de 5 para 7", afirma Cláudia Joaquim.

Isto acontece porque mais empresas vão pagar contribuição para a Segurança Social por contratarem recibos verdes.

Até agora, um trabalhador independente em que mais de 80% da sua atividade fosse relacionada com uma empresa essa empresa tinha que pagar contribuição para a segurança social, agora, a partir de janeiro de 2019, passam a existir dois escalões o primeiro vai dos 50 aos 80%, "nesse caso à entidade contratante é lhe aplicada uma taxa contributiva de 7%".

Já o segundo escalão, acima dos 80%, de faturação para uma única entidade vai ter outra taxa. "Uma taxa contributiva de 10%, aplicável à entidade contratante", refere a secretária de Estado.

De resto, o próprio trabalhador independente vai pagar uma taxa de 21,4%. O valor é calculado de três em três meses a começar já em janeiro.

Mudanças nas declarações

"Passamos a ter a primeira declaração trimestral em janeiro de 2019 mas depois, todos os anos as declarações trimestrais em janeiro, abril, julho e outubro de cada ano", sublinha.

Nas declarações trimestrais são declarados os rendimentos dos últimos três meses. A Segurança Social faz uma média que vai determinar o pagamento da contribuição nos três meses seguintes.

No mês em que são feitas as declarações elas podem ser substituídas até ao último dia do mês e podem ser retificadas nos primeiros 15 dias do mês seguinte.

A prestação mínima passa a ser de 20 euros. "Os 20 euros têm este objetivo de salvaguardar a não existência de ausências de registo de remunerações que poderia ter como consequência a não atribuição de prestações sociais, em particular das prestações sociais imediatas (doença, parentalidade e desemprego)."

Ou seja, as novas regras permitem um melhor acesso às prestações sociais como o subsídio de desemprego e a baixa médica. No caso da baixa passa a ser possível a partir do décimo dia de doença em vez dos atuais 30 dias.

Deste modo, Cláudia Joaquim encara este modelo como um incentivo à obrigação dos trabalhadores independentes fazerem os descontos porque "era o que conduzia a uma menor ligação do trabalhador independente à Segurança Social sobre aquele que era o reconhecimento do dever da contribuição mas muitas vezes um menor reconhecimento do direito à proteção social".

O novo regime também altera as regras para os trabalhadores independentes que acumulem com trabalho por conta de outrem.

"Os trabalhadores independentes que sendo trabalhadores por conta de outrem [e que por essa via já desconta para a segurança social] que tenham como rendimento, de trabalho independente, médio dos últimos três meses, superior a 4 IAS (1743 euros de rendimento relevante). Nesses casos o trabalhador independente que é trabalhador por conta de outrem terá uma contribuição sobre o diferencial acima dos 4 IAS", explica a Secretária de Estado.

in TSF | 14-12-2018 | José Milheiro

 

Conteúdo Relacionado:

NEWSLETTER JURÍDICA HPJ - Receba os nossos destaques!

banner 350 292 upt jan 2020

banner arkeyvata mar 2020

wook banner fev v2 2020

collex banner fev 2020

DESTAQUES

calendario forense hpj 2020

irs 2020 banner 350

 radar psp banner

 quizz hpj banner