Home Page Jurídica - Home Page Jurídica

Governo conseguiu aprovar propostas com o apoio do PSD, mas deu a mão ao Bloco noutras, acabando por fazer com sucesso um equilíbrio difícil de forças.

predio habitacao

O Parlamento aprovou nesta sexta-feira, em votação final global, os últimos diplomas do pacote legislativo sobre habitação, nomeadamente o Programa de Arrendamento Acessível, a atribuição de benefícios fiscais aos senhorios e a punição por assédio no arrendamento.

Entre as propostas viabilizadas estão, ainda, a criação do Observatório da Habitação, do Arrendamento e da Reabilitação Urbana (OHARU) e o diploma que "estabelece medidas destinadas a corrigir situações de desequilíbrio na posição dos arrendatários e dos senhorios, a reforçar a segurança e estabilidade do arrendamento urbano e a proteger arrendatários em situação de especial fragilidade".

No âmbito de uma proposta de lei do Governo, o diploma que autoriza a criação do Programa de Arrendamento Acessível foi aprovado com os votos contra de PCP, BE, CDS-PP e PEV, a abstenção do PAN e do PSD e o voto a favor de PS. Com este programa, os senhorios vão poder beneficiar de uma isenção total de impostos sobre os rendimentos prediais, em sede de Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) e de Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC), desde que a renda seja inferior a 20% dos preços de mercado e os arrendatários não tenham de suportar uma taxa de esforço superior a 35%.

Criado a partir de um projecto de lei do BE, em que foram introduzidas alterações propostas pelo PS, o diploma que "estabelece a punição por assédio no arrendamento" foi aprovado com os votos contra de PSD e CDS-PP e votos a favor das restantes bancadas parlamentares. A iniciativa legislativa determina que "é proibido o assédio no arrendamento ou no subarrendamento", punindo os senhorios com uma sanção pecuniária de 20 euros por dia, valor que aumenta para 30 euros quando o arrendatário tenha idade igual ou superior a 65 anos ou grau comprovado de deficiência igual ou superior a 60%.

Viabilizado com os votos contra de PSD e CDS-PP, a abstenção do PAN e os votos a favor das restantes bancadas, o diploma que reforça a segurança e estabilidade no arrendamento estabelece que o prazo mínimo dos contratos passa a ser de um ano e, obrigatoriamente, renováveis por três anos, e introduz protecções contra o despejo de inquilinos idosos ou deficientes e que residam nas casas "há mais de 15 anos" para contratos anteriores a 1990 e "há mais de 20 anos" para contratos celebrados entre 1990 e 1999.

Esta iniciativa mantém em funcionamento o Balcão Nacional de Arrendamento (BNA), que tem competência exclusiva para a tramitação do procedimento especial de despejo, e cria o Serviço de Injunção em Matéria de Arrendamento (SIMA) para efectivar os direitos dos arrendatários, designadamente o reembolso de despesas suportadas por obras feitas em substituição do senhorio.

Sem definir valores máximos de renda, o diploma que prevê que a redução da actual taxa de IRS sobre rendimentos prediais, que se situa nos 28%, foi aprovado com os votos a favor de PS e PSD, a abstenção de CDS-PP e PAN e os votos contra de PCP, BE e PEV.

Para os contratos a partir de dois anos aplica-se uma redução de dois pontos percentuais, passando de 28% para 26%, benefício que se aplica, sucessivamente, em cada dois anos, enquanto nos contratos de cinco anos a redução é de cinco pontos percentuais, passando de 28% para 23%. Aos contratos de arrendamento de duração de dez anos aplica-se automaticamente 14%, taxa que é reduzida para 10% nos casos de contratos de 20 anos ou mais.

in Público | 21-12-2018 | LUSA

 

Conteúdo Relacionado:

NEWSLETTER JURÍDICA HPJ - Receba os nossos destaques!

banner 350 292 upt jan 2020

banner arkeyvata mar 2020

wook banner fev v2 2020

collex banner fev 2020

DESTAQUES

calendario forense hpj 2020

irs 2020 banner 350

 radar psp banner

 quizz hpj banner