Ações de manutenção de espaços rurais no âmbito do regime de defesa da floresta – Regime Especial em 2018 - Home Page Jurídica

O Decreto-Lei n.º 124/2006, de 28 de junho, que criou medidas e ações a desenvolver no âmbito do Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios, estabelece uma obrigação a todos os proprietários, arrendatários, usufrutuários ou entidades que, a qualquer título, detenham terrenos confinantes a edifícios inseridos em espaços rurais de proceder à gestão de combustível, ou seja,...

regime especial defesa floresta 2018

...de proceder à limpeza e manutenção dos espaços, de acordo com as normas constantes no anexo daquele decreto-lei, numa faixa com as seguintes dimensões: a) Largura não inferior a 50 m, medida a partir da alvenaria exterior do edifício, sempre que esta faixa abranja terrenos ocupados com floresta, matos ou pastagens naturais; b) Largura definida no PMDFCI, com o mínimo de 10 m e o máximo de 50 m, medida a partir da alvenaria exterior do edifício, quando a faixa abranja exclusivamente terrenos ocupados com outras ocupações. – é o que está previsto no n.º 2 do artigo 15.º daquele diploma.

Essa obrigação decorre entre o final do período crítico do ano anterior e 30 de abril de cada ano, nos termos do n.º 3 do artigo 15.º daquele diploma.

 

PUB

 

Ora, em 2018, por norma transitória constante do Orçamento de Estado para 2018, aprovado pela Lei n.º 114/2017, de 29 de dezembro, este regime e prazos sofre uma alteração importante e que deve conhecer.

Efetivamente, no artigo 153.º da Lei que aprovou o Orçamento de Estado para 2018, está previsto um regime excecional a vigorar em 2018 que estabelece o seguinte:

a) Durante o ano de 2018, os trabalhos definidos no, n.º 2 do artigo 15.º do Decreto-Lei n.º 124/2006, de 28 de junho, na sua redação atual, devem decorrer até 15 de março, independentemente da existência de Plano Municipal de Defesa da Floresta contra Incêndios (PMDFCI) aprovado.

b) Durante o ano de 2018, as coimas a que se refere, o artigo 38.º do Decreto-Lei n.º 124/2006, de 28 de junho, na sua redação atual, são aumentadas para o dobro.

Determina o artigo 38.º do Decreto-Lei n.º 124/2006, de 28 de junho que:

“1 - As infrações ao disposto no presente decreto-lei constituem contraordenações puníveis com coima, de € 140 a € 5000, no caso de pessoa singular, e de € 1500 a € 60 000, no caso de pessoas coletivas.”

Ora, este regime ececional criado pelo Orçamento de Estado para 2018 aumenta, em 2018, as coimas aplicáveis que passam a ser de €280 a €10 000 para pessoas singulares e de €3000 a €120 000 para pessoas coletivas.

Finalmente chama-se a atenção para as novas obrigações das câmaras municipais para cumprimento destas regras que passam a ter um papel muito mais ativo e célere para cumprimento dos deveres inerentes ao cumprimento do regime estabelecido no Decreto-Lei n.º 124/2006, de 28 de junho.

Consulte o Orçamento de Estado para 2018 aqui:

Lei n.º 114/2017, de 29 de dezembro

 

Consulte o Decreto-Lei n.º 124/2006, de 28 de junho aqui:

Regime do Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios - Decreto-Lei n.º 124/2006, de 28 de junho

 

Texto meramente informativo sem validade legal. Os diplomas mencionados devem ser consultados na publicação oficial.

 

PUB

NEWSLETTER JURÍDICA HPJ - Receba os nossos destaques!

OUTRA INFOJUS

INFORMAÇÃO JURÍDICA ÚTIL

banner upt set 2018 

agenda juridica 2018 promo 

calendario forense hpj 2019

DESTAQUES

simulador ss trab indep occestudante deslocado

radar psp destaquequiz destaque

acesso direito candidatura 2018crta conducao banner

LIVROS C/ DESCONTO %