O Regime Público de Capitalização é um regime complementar da Segurança Social que funciona como uma poupança para reforçar a sua pensão quando se reformar (por velhice ou por invalidez absoluta).

certificados reforma

 

 

Enquanto estiver a trabalhar vai fazendo descontos adicionais que vão sendo colocados numa conta em seu nome. Esta conta faz parte dum fundo de investimento – o Fundo dos Certificados de Reforma.

 

Os seus descontos mensais são convertidos em Certificados de Reforma que são capitalizados ao longo do tempo. Quando se reformar, pode receber o valor acumulado de uma só vez, em mensalidades (Renda Mensal Vitalícia) e/ou transferir o valor total ou parcial do capital acumulado, para plano de Complemento de filho(s) e ou de cônjuge, caso estes sejam aderentes ao Regime Público de Capitalização.

 

O Decreto-Lei n.º 26/2008, de 22 de fevereiro estabelece a regulamentação aplicável ao regime público de capitalização, destinada à atribuição de um complemento de pensão ou de aposentação por velhice. Este regime foi regulamentado pela Portaria n.º 212/2008, de 29 de fevereiro que aprova o Regulamento de Gestão do Fundo de Certificados de Reforma.

 

Quem pode aderir?

Qualquer pessoa pode aderir ao regime dos Certificados de Reforma desde que:

  1. Esteja a trabalhar
  2. Esteja abrangida por um sistema de proteção social obrigatório, como:
  • Segurança Social;
  • Caixa Geral de Aposentações;
  • Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores.
  1. Tenha um NISS (Número de Identificação da Segurança Social), para isso tem de estar inscrito na Segurança Social. Se não tiver NISS, é-lhe atribuído um.

 

Quanto se paga?

A contribuição a pagar é calculada aplicando uma taxa – taxa contributiva – a um valor próximo daquilo que ganha em média por mês (rendimentos brutos) – base de incidência contributiva (BIC), sendo que as taxas atualmente disponíveis vão dos 2% aos 6% da remuneração mensal.

 

Benefícios Fiscais

Os limites de deduções à coleta do IRS (Lei do Orçamento do Estado de 2019) passaram a ser definidos por escalão etário, sendo dedutíveis à coleta de IRS, nos termos e condições previstos no artigo 78.º do respetivo Código, 20 % dos valores aplicados, por sujeito passivo não casado, ou por cada um dos cônjuges não separados judicialmente de pessoas e bens, tendo como o limite máximo:

  1. a) De 400€ por sujeito passivo ou cônjuge não separado judicialmente com idade inferior 35 anos;
  2. b) De 350€ por sujeito passivo ou cônjuge não separado judicialmente com idade superior a 35 anos.

 

O que acontece se o beneficiário morrer?

Caso faleça antes de se reformar, o valor acumulado passa para os herdeiros legais e de acordo com as regras da sucessão civil, não podendo ser objeto de testamento.

Se já estiver a receber a renda mensal vitalícia e entretanto falecer Se morrer nos 3 primeiros anos, os herdeiros têm direito a receber uma parte do valor restante (da reserva matemática constituída pela seguradora e ainda não consumida).

 

Tudo sobre os Certificados de Reforma pode consultar no site da Segurança Social e no Guia Prático.

 

Notas Positivas:

- Taxa de juro: segundo dados divulgados pela Segurança Social, a taxa de juro deste instrumento de poupança ronda os 2,25% nos últimos 3 anos.

- Garantia de capital: este investimento tem o capital garantido pelo Estado Português.

 

Notas Negativas:

. Liquidez: não é possível resgatar sem ser nos casos de velhice ou incapacidade absoluta.

 

DISCLAIMER / IMPORTANTE

Todo o conteúdo presente neste artigo serve apenas para fins informativos e educacionais, não representa qualquer tipo de aconselhamento financeiro.

 

Outras opções de Poupança / Investimento:

Certificados de Aforro

Bondora – Go & Grow

 

 

Conteúdo Relacionado:

 

NEWSLETTER JURÍDICA HPJ - Receba os nossos destaques!