Operadoras obrigadas a informar prazo da fidelização e custos de rescisão nas facturas detalhadas - Home Page Jurídica

Dado que a facturação e o cancelamento do serviço lideravam as queixas dos consumidores, o regulador das telecomunicações quis incluir mais informação nas facturas de forma a prevenir a insatisfação dos clientes e a aumentar a transparência.

faturas

O regulador das comunicações, a Anacom, acaba de aprovar a decisão de que as operadoras passem a fornecer de forma gratuita a data do fim da fidelização e os custos a suportar no caso de querer terminar o contracto em causa.

Estas informações vão ter de ser disponibilizadas a todos os assinantes que solicitem a facturação detalhada, quer em suporte digital quer em papel, comportamento que a Anacom aconselha. "Isto não invalida que os operadores, por sua iniciativa ou a pedido expresso dos clientes, emitam ou enviem facturas com um detalhe e informação superiores ao definido pela Anacom", ressalva o regulador. Ou, pelo contrário, que os clientes optem por não receber este nível de detalhe.

Outra das novidades é que os operadores terão que esclarecer na factura a possibilidade de os consumidores contestarem os valores a cobrar, "com indicação do prazo e dos meios que poderão usar para o fazer", informa o regulador em comunicado.

Por fim, as facturas vão passar a indicar a possibilidade de apresentar uma reclamação formal e a plataforma electrónica onde poderão dar seguimento à mesma.

As facturas emitidas no prazo de seis meses a partir da presente data, ou seja a data da aprovação, devem estar em concordância com estas novas directivas.

A aprovação desta proposta surge num contexto em que a facturação e o cancelamento do serviço são os motivos que geram um maior número de reclamações, "as quais voltaram a registar um acréscimo significativo no último ano", assinala o regulador.

"O principal objectivo é tornar a informação mais compreensível e transparente, permitindo aos consumidores verificar as prestações cujo pagamento lhes é exigido e tomar decisões informadas na defesa dos seus direitos e interesses", explica a Anacom. O regulador entende que os novos critérios contribuem para "uma maior protecção dos direitos dos consumidores" e para "uma maior concorrência".

O regulador esclarece ainda que estas medidas foram apoiadas pela Direcção Geral do consumidor e pela DECO, embora os operadores se tenham demonstrado em discordância. Neste sentido, a Anacom manteve "o essencial das medidas" e optou por acolher apenas "algumas" das sugestões dos operadores.

in Jornal de Negócios | 13-09-2018 | Ana Batalha Oliveira

 

Consulte a Infromação completa no site da ANACOM aqui.

 

Conteúdo Relacionado:

 

NEWSLETTER JURÍDICA HPJ - Receba os nossos destaques!

OUTRAS NOTÍCIAS

INFORMAÇÃO JURÍDICA ÚTIL

banner upt set 2018 

agenda juridica 2018 promo 

moloni banner

DESTAQUES

gnr concursoestudante deslocado

afixacao obrigatoria direito laboralquiz destaque

inovcontacto 2018crta conducao banner

LIVROS C/ DESCONTO %