Sobe o número dos jogadores online a pedir que acesso lhes seja barrado - Home Page Jurídica

Número de portugueses viciados que pediram para que acesso a plataformas online lhes fosse barrado aumentou 70% num só ano. Têm dívidas e até deixam de comer e dormir.

jogo online

Causam dívidas, roubam tempo, levam ao insucesso escolar ou laboral e a separações conjugais. Os jogos online estão a crescer em Portugal: de apostas desportivas a jogos de fortuna, são várias as opções. Mas está também a aumentar o número de portugueses viciados que pedem para serem impedidos de aceder a estes autênticos casinos virtuais.

Num só ano, o número de pedidos de autoexclusão (jogadores que apelam para que o acesso a estes jogos lhes seja barrado) aumentou em 70%, de 21 mil para 35 mil pedidos. Os números constam no relatório do Serviço de Regulação e e Inspeção de Jogos, citado pelo Jornal de Notícias.

Há em Portugal 1.3 milhões de jogadores registados (só no primeiro trimestre de 2019 inscreveram-se mais de 125 mil portugueses, face aos 89 mil de 2018) e dez entidades com a devida licença para explorar jogos online. Cerca de 50 milhões de euros foi quanto estas plataformas lucraram até junho deste ano, de acordo com o mesmo jornal.

O fenómeno é bastante recente e a sua popularidade explica-se pela facilidade de acesso ao online e à maior preponderância que têm hoje os telemóveis, tabletes e computadores. Em sentido inverso, os “verdadeiros” casinos têm vindo a lucrar cada vez menos.

Qual o perfil do jogador online? O psicólogo e coordenador do Instituto e Apoio ao Jogador, Pedro Hubert, explica ao JN que se tratam de jovens entre os 18 e os 30 anos, com estudos e com tendência para adições.

As apostas desportivas — com especial incidência no futebol — são as mais comuns. Mas há também viciados em roletas, máquinas e póquer.

O vício destes jogos é semelhante ao vício causado por drogas ou álcool. O Jornal de Notícias relata o caso de um jogador — hoje reabilitado — que chegou a deixar de dormir, comer e tomar banho para passar os dias a jogar.

Há tratamento para este vício. Ainda de acordo com o JN, 108 portugueses estão a ser acompanhados e até junho deste ano 50 jogadores pediram ajuda pela primeira vez. O problema é que, em Portugal, há poucos psicólogos e psiquiatras especializados neste assunto e os utentes são encaminhados para centros de resposta integrada.

in Observador | 18-07-2019

 

Com interesse:

Lei do Jogo - Decreto-Lei n.º 422/89, de 2 de Dezembro

 

Conteúdo Relacionado:

 

NEWSLETTER JURÍDICA HPJ - Receba os nossos destaques!

INFORMAÇÃO JURÍDICA ÚTIL

banner 350 292 upt jan 2020

cursos cej 2020

calendario forense hpj 2020

banner wook 350 jan 2020

banner collex 350 jan 2020

LIVROS C/ DESCONTO %

DESTAQUES

 codigo trabalho 2019 info

 radar psp banner

 quizz hpj banner