Juízo de Família e Menores abriu sem acesso a deficientes - Home Page Jurídica

A nova secção de Família e Menores do Tribunal de Leiria abriu no início do mês, mas o edifício não tem acesso a pessoas com mobilidade reduzida, situação que o Ministério da Justiça prevê corrigir.

sala audiencia

O juízo de Família e Menores de Leiria, que estava a funcionar apenas em Pombal, no âmbito da reformulação do mapa judicial concretizada pelo governo PSD/CDS-PP, foi instalado de novo em Leiria, no antigo edifício do Ministério Público.

O espaço sofreu obras de remodelação durante as férias judiciais, mas a adaptação do espaço não está totalmente concluída.

O acesso ao edifício faz-se por um vão de escadas, o que impede a entrada a pessoas com mobilidade reduzida. O Ministério da Justiça disse à Lusa que os cidadãos com mobilidade condicionada podem aceder ao tribunal entrando pela "cave/estacionamento do edifício".

A partir daí existe um elevador que acede aos pisos superiores. "No entanto, reconhecendo-se que esta não é a solução ideal, já foi desenvolvido um estudo para a criação de uma rampa exterior, que já obteve a concordância quer da câmara municipal, quer do proprietário do edifício (o edifício é arrendado)", revelou o Ministério da Justiça.

Segundo a tutela, o Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça está a "aguardar apenas a conclusão das medições e o orçamento para avançar com o procedimento de concurso, o que ocorrerá ainda durante o presente mês de setembro".

Quando a obra se iniciou, o administrador judiciário da Comarca de Leiria, António Nolasco Rodrigues, explicou à Lusa que a intervenção previa a criação de duas salas de julgamento, com ligação direta aos espaços dos magistrados, que serão preenchidas com um estrado mais elevado para o juiz e procurador, mesas laterais para advogados, uma zona para ouvir as partes e outra onde estarão duas filas de cadeiras para o público.

Estava prevista a adaptação de um espaço para acolhimento de menores, que terá um vidro, que permitirá ver apenas num sentido, e a criação de duas unidades de processo.

O espaço alberga ainda uma sala de mandatários, para advogados e solicitadores, e gabinetes para procuradores e juízes.

Segundo fonte judicial, a secção ainda não está totalmente operacional, existindo ainda material deixado no local, processos que ainda não foram transferidos e acomodações por adaptar.

A mesma fonte lamentou ainda que os processos de outros concelhos tenham sido redistribuídos entre juízes e procuradores que transitaram para Leiria e os que ficaram na secção em Pombal.

"Tratando-se de processos de Família e Menores, tão sensíveis, seria preferível que os mesmos se mantivessem com quem já os conhece", desabafou.

Em Leiria, o juízo de Família e Menores terá dois procuradores e dois juízes, que irão ficar com os processos dos concelhos de Leiria, Batalha, Marinha Grande e Porto de Mós.

Pombal continuará a ter uma secção de Menores, abrangendo alguns concelhos mais a norte.

O Juízo de Família e Menores de Alcobaça, que também começou a funcionar no início do mês, abrange os municípios de Alcobaça e Nazaré, aí exercendo funções um Juiz e um Magistrado do Ministério Público.

in Noticias ao Minuto | 10-09-2019 | LUSA

 

 

Conteúdo Relacionado:

 

NEWSLETTER JURÍDICA HPJ - Receba os nossos destaques!

INFORMAÇÃO JURÍDICA ÚTIL

banner 350 292 upt jan 2020

cursos cej 2020

calendario forense hpj 2020

banner wook 350 jan 2020

banner collex 350 jan 2020

LIVROS C/ DESCONTO %

DESTAQUES

 codigo trabalho 2019 info

 radar psp banner

 quizz hpj banner