Forças Armadas em risco: já há mais sargentos e oficiais do que praças - Home Page Jurídica

Nos primeiros três meses do ano, mil militares abandonaram as Forças Armadas — 750 eram praças do Exército. Associações de militares já admitem recorrer ao Serviço Militar Obrigatório.

exercito

Os números são preocupantes e já nem sequer estão atualizados: segundo o Ministério da Defesa, em 2018 havia em todos os ramos das Forças Armadas um total de 11. 369 praças, 8.738 sargentos e 6.905 oficiais — representando os militares das categorias superiores, em conjunto, 15.643. Já na Força Aérea, também em 2018, nem era preciso somar as patentes superiores: havia 1.944 oficiais e 2.620 sargentos para apenas 1.390 praças. Entretanto, nos primeiros três meses de 2019, mil militares abandonaram o Exército — 750 deles eram praças. As associações de militares dizem que situação é tão grave que deixou de fazer sentido falar em pirâmide hierárquica: a base é inferior ao topo.

Os números e as reações são revelados esta quinta-feira na edição do Jornal de Notícias: os salários baixos (auferem o rendimento mínimo) estão a afastar os soldados das Forças Armadas e a obrigar os militares qualificados e com parentes superiores a assegurarem as tarefas básicas que lhes cabiam, o que naturalmente resulta num “desequilíbrio da estrutura hierárquica”, explica António Mota, tenente-coronel da Força Aérea e presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas. “Há sargentos a fazer trabalho de praças e oficiais a fazer trabalho de sargentos, e as pessoas sentem-se desmotivadas. É muito mau”, acrescenta.

Já Luís Reis, cabo-mor da Marinha e presidente da Associação de Praças, vai ainda mais longe e avisa que, com o aumento do número de missões e o decréscimos de efetivos disponíveis, o regresso do Serviço Militar Obrigatório, é uma possibilidade cada vez mais real: “Quando as missões estiverem em causa, corremos o risco de ter de recorrer ao Serviço Militar Obrigatório. É o que está consagrado na lei e é uma consequência que já não está tão longe como isso”.

“Qualquer dia, um oficial não tem homens para comandar, toda a cadeia hierárquica está desfeita. Já não é uma pirâmide mas quase um retângulo, toda a gente está em disfunção e desmotivada”, resume António Mota.

in Observador | 07-11-2019

 

 

Conteúdo Relacionado:

 

NEWSLETTER JURÍDICA HPJ - Receba os nossos destaques!

INFORMAÇÃO JURÍDICA ÚTIL

banner upt nov 2019

agenda juridica 2020 geral

calendario forense hpj 2020

360 imprimir banner 350x96

wook banner 350 nov 2019

banner collex 350 nov 2019

LIVROS C/ DESCONTO %

DESTAQUES

 codigo trabalho 2019 info

 radar psp banner

 quizz hpj banner